X

Conheça o caminho de cada tenista que disputará o ATP Finals

Sexta, 08 de novembro 2019 às 12:45:00 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Por Ariane Ferreira - A temporada corrente do circuito ATP em 2019 já acabou e restam apenas os oito melhores do ano, que se enfrentarão no tradicional ATP Finals de Londres a partir do próximo domingo. Por isso, o Tênis News elaborou este especial.



Nele, vamos conhecer um a um o caminho dos oito melhores tenistas da temporada neste importante torneio. Vale ressaltar que o último a se classificar, o italiano Matteo Berrettini confirmou sua presença graças a derrota do francês Gael Monfils nas quartas do Masters de Paris, já na última semana do ano. Também vale recordar o leitor, que três destes oito, Berrettini, o grego Stefanos Tsitsipas e o russo Daniil Medvedev são estreantes na competição, que terá quatro atletas abaixo de 23 anos. Além dos estreantes, o alemão Alexander Zverev está nesta faixa.

Vamos conhecer o caminho dos atletas. 

MATTEO BERRETTINI

Aos 23 anos, o italiano natural de Roma foi a grande surpresa da temporada 2019, onde somou 42 duas vitórias em 63 jogos. Berrettini abriu o ano como 52º da ATP, chegou a ter três derrotas consecutivas nas primeiras semanas do ano, com destaque para a derrota na primeira rodada do Australian Open para o grego Stefanos Tsitsipas.

O primeiro grande resultado no ano foi a semifinal do ATP de Sofia, na Bulgária. Sem pontuação, Berrettini foi para o Challenger de Phoenix, nos Estados Unidos, onde foi campeão. A temporada seguiu e Berrettini foi campeão do ATP 250 de Budapeste, na Hungria, na abertura da gira no saibro. Na semana seguinte foi vice no ATP de Munique, na Alemanha, perdendo do chileno Christian Garin.

Sem grande performance em Roland Garros, onde fez segunda rodada, o italiano surpreendeu na grama de Stuttgart, na Alemanha, onde foi campeão, fez semi no ATP 500 de Halle, também em território alemão, e oitavas em Wimbledon, caiu para Roger Federer. Mas a melhor campanha do jovem, foi a semifinal alcançada no US Open, onde caiu para Rafael Nadal.

 

ALEXANDER ZVEREV

Atual campeão do ATP Finals, o alemão Alexander Zverev está no torneio pela terceira vez na carreira e teve uma temporada abaixo das expectativas, tanto do público como próprias, como comentou diversas vezes.

Foram 65 jogos no ano, com 42 vitórias. O primeiro grande resultado do alemão foi o vice-campeonato no ATP 500 de Acapulco e seguiu vencendo uma e perdendo a seguinte até a terceira semana de maio, onde engatou o título no saibro de Genebra. A moral do título levou o alemão às quartas de Roland Garros, com vitórias sobre o italiano Fabio Fognini e a derrota para Djokovic. Em julho, em sua cidade natal, Hamburgo, fez semifinal onde perdeu match-points diante do georgiano Nikoloz Basilashvili, que ficou com o título.

Cheia de altos e baixos em seu jogo e com resultados, o alemão, de apenas 22 anos, ainda ficou com o vice-campeonato em Xangai.

 

STEFANOS TISTSIPAS

 

O grego Stefanos Tsitsipas é o mais jovem dos competidores em Londres e acumula uma campanha impressionante na temporada, tendo sido o único tenista da história a vencer o suíço Roger Federer e o sérvio Novak Djokovic no piso rápido e o espanhol Rafael Nadal  no saibro tudo em um mesmo ano.

Ao todo foram 74 jogos para o jovem de 21 anos, que acumulou 50 vitórias no ano que abriu em Sidney e surpreendeu a todos ao alcançar semifinal no Australian Open, tendo batido Federer nas oitavas e parado em Nadal. 

O grego conquistou o título no ATP de Marselha semanas depois, fez final no ATP 500 de Dubai, conquistou o título no saibro de Estoril, em Portugal, fez final em Madri, superando Nadal na semi, fez oitavas em Roland Garros e caiu na estreia tanto em Wimbledon como no US Open. Na sequência fez final no ATP 500 de Pequim, onde derrotou o alemão Alexander Zverev na semi e caiu para Dominic Thiem na final e ainda bateu Djokovic nas quartas no Masters de Xangai e caiu na semi diante do russo Daniil Medvedev. Ainda fez semi na Basileia, perdeu de Federer e quartas no Masters de Paris, caiu diante de Djokovic.

 

DOMINIC THIEM 

O austríaco disputou 65 jogos na temporada e perdeu 17 deles. Seu principal resultado foi seu primeiro título de Masters em Indian Wells e o vice-campeonato em Roland Garros. Entretanto, Thiem passou os dois primeiros meses do ano com resultados abaixo da expectativa,  tendo inclusive caído na primeira rodada do Rio Open, onde era a principal estrela.

2019 foi um ano único na carreira do tenista, que venceu os dois torneios realizados em seu país Kitzbuhel (no saibro) e Viena (piso rápido). Além disso, Thiem venceu partidas de chave principal em torneio na Ásia e de quebra levou o título do ATP 500 de Pequim, na China.

 

DANIIL MEDVEDEV

Aos 23 anos, o russo está entre os melhores do mundo pela primeira vez. Na temporada 2019, Medvedev acumula o impressionante número de 59 vitórias em 77 partidas e é quem mais jogou no ano.

Medvedev abriu a temporada com o vice-campeonato do ATP de Brisbane, perdeu do japonês Kei Nishikori, fez oitavas no Australian Open, faturou o título do ATP de Sofia, na Bulgária, e foi vice-campeão no ATP 500 de Barcelona. Dali, acumulou quatro derrotas consecutivas, jogou bem na grama de Queen’s (semi) e de Wimbledon (oitavas) e seguiu para o US Open Series.

Ali, o russo conquistou a sequência impressionante de seis finais consecutivas, entre o ATP 500 de Washington e o Masters de Xangai. Neste espaço de tempo, faturou os títulos em Xangai, Cincinnati e o ATP de São Petersburgo.

 

ROGER FEDERER

Aos 38 anos, Federer jogou 59 partidas no calendário corrente e acumulou oito derrotas, a mais importante delas na final em Wimbledon. O suíço perdeu de Tsitsipas nas oitavas de final do Australian Open e na semana seguinte ergueu o troféu do ATP de Dubai diante do grego. 

Na sequência da temporada, Federer ficou com o vice em Indian Wells, venceu Miami e de volta ao saibro após duas temporadas, fez quartas em Madri e Roma e foi à semi em Roland Garros sendo derrotado por Nadal. Na grama, venceu o ATP 500 de Halle. Na US Open Series, seu melhor resultados foi quartas em Nova York e conquistou o título do ATP 500 da Basileia.

 

RAFAEL NADAL

O atual número 1 do mundo do mundo, abriu a temporada com o vice-campeonato do Australian Open, não perdeu mais finais e somou um total de quatro títulos ( Roland Garros, US Open, e Masters de Roma e Canadá). O espanhol perdeu apenas seis das 57 partidas que jogou no ano, curiosamente três delas foi em torneios disputados em seu piso favorito, o saibro. Foram estas derrotas diante do italiano Fabio Fognini na semifinal do Masters de Monte Carlos; semi do ATP 500 de Barcelona para o austríaco Dominic Thiem; na semi do Masters de Madri contra o grego Stefanos Tsitsipas.

Ainda como resultados no ano, Nadal fez semifinal em Wimbledon e a única campanha que não o levou às fases finais, foi no ATP 500 de Acapulco, quando perdeu na segunda rodada para o australiano Nick Kyrgios, que ficou com o título do torneio.

 

NOVAK DJOKOVIC

O sérvio abriu o ano como número 1 e ali seguiu até esta semana, quando perdeu o posto para Nadal. Djokovic disputou em toda a temporada 64 jogos e acumulou apenas nove derrotas. A primeira delas ocorreu nas semifinais do ATP de Doha, no Qatar, na primeira semana do ano para o espanhol Roberto Bautista Agut.

Na sequência, Nole conquistou o título do Australian Open e nos três primeiros Masters do ano (Indian Wells, Miami e Monte Carlo) caiu antes das semifinais. O sérvio desencantou em Madri, onde foi campeão, acumulou o vice em Roma e ficou na semi em Roland Garros.

A grande vitória do sérvio na temporada foi o título em Wimbledon, tendo salvo dois match-points do suíço Roger Federer. Com lesão no ombro, não apresentou grandes resultados no piso rápido da US Open Series, mas voltou com título no ATP 500 de Tóquio, no Japão, e conquistou o título do Masters de Paris.